Visão Subnormal

A visão subnormal é uma visão prejudicada que não pode ser totalmente restaurada com óculos, lentes de contato, cirurgia ou medicamentos. Condições comuns que podem causar baixa visão incluem diabetes, degeneração macular, glaucoma e outras condições que afetam a retina e o nervo óptico. Além disso, a perda de visão também pode resultar de um acidente vascular cerebral ou outra lesão cerebral. 

A visão subnormal é composta por diminuição da acuidade visual, sensibilidade ao contraste e / ou campo visual que cria um impacto na capacidade de um indivíduo de realizar atividades da vida diária de maneira eficaz e independente, como cozinhar, limpar, ler jornal ou assistir televisão. 

Pessoas que sofrem de baixa visão não podem mais ser corrigidas com óculos, lentes de contato, medicamentos ou cirurgia padrão.

A visão subnormal pode existir em muitas formas e em vários graus, tradicionalmente é melhor corrigir a acuidade visual de 20/70 ou pior no olho que enxerga melhor.

Clínica Hailife oferece um serviço  de reabilitação para pacientes com baixa visão. Nossa equipe clínica avaliará sua visão para criar um plano de reabilitação individualizado para ajudar a atingir seus objetivos de manter sua independência e melhorar sua qualidade de vida. 

O que você pode esperar de um exame para visão subnormal?

  • História de caso e estabelecimento de metas visuais;
  • Avaliação do potencial de reabilitação da visão;
  • Resposta à ampliação, incluindo ampliadores de mão e suporte, telescópios, óculos e recursos não ópticos;
  • Avaliação do campo de visual;
  • Avaliação de contraste, brilho e iluminação;
  • Avaliação de tecnologia adaptativa.

Referências e relatórios podem ser fornecidos em relação a preocupações com mobilidade, atividades da vida diária, segurança, grupos de apoio, aconselhamento. 

Os serviços de reabilitação da visão têm como objetivo melhorar a qualidade de vida do paciente, maximizando sua visão funcional remanescente e permitindo que os pacientes mantenham um senso de independência nas atividades da vida diária. 

Tipos de visão subnormal:

A visão subnormal pode ser causada por doenças oculares tratáveis clinicamente, como: 

  • Catarata;
  • Degeneração macular;
  • Retinopatia diabética;
  • Glaucoma;
  • Distrofia macular de Stargardt;
  • Albinismo;
  • Retinopatia da prematuridade;
  • Derrame;
  • Catarata congênita;
  • Aniridia;
  • Diplopia.

No entanto, alguns casos de baixa visão não estão relacionados a outro distúrbio ocular. Esses incluem: 

  • Perda da visão central;
  • Perda de visão periférica (lateral);
  • Visão embaçada;
  • Névoa generalizada;
  • Sensibilidade extrema à luz;
  • Cegueira noturna;
  • Serviço de reabilitação para visão subnormal e reabilitação da visão;

Se a causa da sua baixa visão não puder ser tratada com medicamentos, você tem a opção de fazer ajustes de vida com a ajuda de um especialista em baixa visão. Oferecemos dispositivos, ferramentas adaptativas e treinamento para garantir que você seja capaz de realizar as atividades diárias com o melhor de sua capacidade. 

Nossa abordagem de reabilitação ensina os pacientes a maximizar a visão restante, aprender quais ferramentas prescritivas / tecnologias de acesso podem ajudar e qual treinamento é necessário. 

Os auxilios para visão subnormal funcionam tornando as coisas maiores e mais brilhantes ou permitindo que você dependa mais do áudio e da audição para tornar sua vida cotidiana mais fácil. 

Nosso objetivo é ajustar o ambiente de sua casa e trabalho para que você se sinta mais confortável realizando as tarefas diárias e aproveitando a vida com baixa visão. Estamos empenhados em ajudá-lo a recuperar a confiança, aprender como lidar com a perda de visão e retornar ao seu estilo de vida ativo. 

Centro de Tecnologia Adaptativa:

A maioria das pessoas com baixa visão pode se tornar mais independente visualmente se usar dispositivos e aparelhos para visão subnormal, além de aprender novos métodos para realizar as tarefas diárias. Você será assistido por uma equipe dedicada que avaliará a visão e elaborará um plano customizado para aumentar a independência e melhorar sua qualidade de vida. 

Clínica Hailife  possui uma ampla gama de dispositivos e as mais recentes tecnologias inovadoras para cegos e deficientes visuais. Isso inclui tecnologia para casa, escola e local de trabalho, ou para uso em trânsito, incluindo: 

  • Ampliadores de vídeo portáteis;
  • Ampliadores de vídeo de mesa (TVs de circuito fechado);
  • A mais recente tecnologia de tablet e smartphone;
  • Hardware e software de computador adaptável;
  • Tecnologia de reconhecimento óptico de caracteres; 
  • Tecnologia Voice-In / Voice-Out, incluindo o que há de mais moderno em óculos computadorizados. 

Transplante de Córnea

O que é um transplante de córnea? 

Um transplante de córnea é um procedimento no qual uma córnea turva ou deformada é removida e substituída por uma córnea doada transparente. A córnea é a camada externa transparente da parte frontal do olho. A cirurgia é feita para melhorar sua visão. Ceratoplastia penetrante é outro nome para esse procedimento. 

Quais são algumas das causas da turvação ou lesão da córnea?

As causas comuns de turvação da córnea ou diminuição da visão devido a problemas da córnea são: 

– Distrofia corneana de Fuchs, que é uma condição comum que pode ocorrer em famílias e causa inchaço e turvação da córnea 

– Ceratocone, onde a córnea fica cada vez mais deformada 

– Operações no olho, especialmente cirurgia de catarata 

– Condições que causam cicatrizes, como cortes, queimaduras ou infecções 

– Doenças oculares que começaram no nascimento. 

De onde vem o tecido para transplante de córnea?

As córneas para transplante vêm de outras pessoas que doaram suas córneas. Um banco de olhos examina, protege e armazena as córneas doadas. Antes de uma córnea doada ser usada, ela é testada quanto à clareza e doenças. Apenas córneas claras e saudáveis ​​são usadas.

Como me preparo para o procedimento?

Peça a alguém para levá-lo para casa após a cirurgia. 

Siga as instruções do seu médico sobre não fumar antes e depois do procedimento. Os fumantes curam mais lentamente após a cirurgia. Eles também são mais propensos a ter problemas respiratórios durante a cirurgia. Por esse motivo, se você é fumante, deve parar pelo menos 2 semanas antes do procedimento. É melhor parar de fumar 6 a 8 semanas antes da cirurgia. Além disso, seu corpo se recuperará muito melhor se você não fumar após a cirurgia. 

Se você estiver tomando aspirina diariamente ou outros anticoagulantes devido a um problema de saúde, pergunte ao seu médico se você precisa parar de tomar o medicamento antes da cirurgia. Se você precisar de um analgésico na semana anterior à cirurgia, escolha paracetamol em vez de aspirina, ibuprofeno ou naproxeno. Isso ajuda a evitar sangramento extra durante a cirurgia. 

No dia da cirurgia, você não deve comer ou beber nada antes do procedimento. Se você toma regularmente algum medicamento importante, o seu provedor pode pedir-lhe para tomá-lo no dia da cirurgia com um gole de água. 

O que acontece durante o procedimento?

Frequentemente, um anestésico geral é usado. A anestesia geral relaxa os músculos, faz você dormir e evita que sinta dor. Às vezes, um anestésico local e um sedativo são usados. O anestésico local entorpece o olho e o sedativo relaxa. 

O centro da córnea turva ou danificada – uma área do tamanho de uma moeda de dez centavos – é removido. Em seguida, o centro claro de uma córnea doada é costurado em seu lugar com pontos que serão removidos posteriormente. Se o seu olho tem catarata, ela pode ser removida ao mesmo tempo. 

Em um novo tipo de transplante de córnea, apenas as camadas mais profundas da córnea são removidas e substituídas por tecido do doador. Isso é chamado de ceratoplastia lamelar profunda. Pergunte ao seu médico se você é candidato a este procedimento. 

O seu oftalmologista colocará um tapa-olho. Você poderá voltar para casa quando estiver totalmente acordado, 1 a 2 horas após a cirurgia. 

O que acontece após o procedimento?

Seu médico examinará seu olho no dia seguinte. Geralmente, há muito pouco desconforto após a cirurgia. Você pode sentir como se tivesse algo no olho por alguns dias. 

Evite curvar-se, levantar pesos e fazer exercícios por pelo menos 2 semanas. Use sempre óculos ou um escudo para proteger seus olhos. Você usará colírios várias vezes ao dia por um longo tempo. Eles ajudam a prevenir infecções e rejeição da nova córnea. 

Conforme o olho cicatriza, alguns dos pequenos pontos usados ​​para costurar o transplante podem ser removidos. Isso é feito facilmente e sem dor no consultório do seu médico. Os pontos podem ser retirados um mês após a cirurgia ou até um ano depois. Às vezes, os pontos são deixados no lugar permanentemente. Às vezes, um ponto pode quebrar ou afrouxar sozinho. Você vai sentir como se houvesse um cílio sob a pálpebra. Você deve informar seu médico, pois pode ser necessário removê-lo. 

Leva tempo para uma boa visão retornar após a cirurgia. Provavelmente, você receberá novos óculos ou lentes de contato 4 a 6 meses após a cirurgia. 

Às vezes, um olho apresenta algum astigmatismo após a cirurgia. Isso significa que a córnea está irregular. Às vezes, isso se deve aos pontos usados ​​durante a cirurgia de transplante de córnea e pode ser corrigido removendo alguns dos pontos. O astigmatismo pode causar visão turva, mas óculos ou lentes de contato geralmente podem corrigi-lo. Nos poucos casos em que há muito astigmatismo para corrigir com óculos ou lentes de contato, mais cirurgia pode ajudar. 

Quais são os benefícios deste procedimento?

Se a cirurgia for bem-sucedida, sua visão ficará mais nítida do que quando você tinha uma córnea turva ou ferida. 

O sucesso da cirurgia depende do motivo do transplante e da saúde geral de seus olhos. 

Quais são os riscos da cirurgia?

Raramente, uma infecção grave ou sangramento pode causar danos permanentes aos olhos. Seu oftalmologista tomará todas as possibilidades.

Vias Lacrimais

A especialidade de vias lacrimais é a responsável por diagnosticar e tratar doenças que acometem o sistema de drenagem da lágrima. O sistema de drenagem conecta o olho ao nariz para escoar as lágrimas.  

A obstrução das vias lacrimais leva a lacrimejamento, podendo estar associada a produção de secreção e infecção. A dacriocistite é a infecção do saco lacrimal e provoca abaulamento e inflamação da região do olho próxima ao nariz. Deve ser tratada com antibióticos e cirurgia posteriormente.  

O lacrimejamento excessivo é uma condição que deve ser investigada em recém-nascidos. Na maioria dos casos, trata-se do desenvolvimento incompleto das vias lacrimais e apresenta resolução espontânea, porém deve ser avaliado por profissional habilitado para orientação, avaliar se necessidade de cirurgia e descartar outras patologias como o glaucoma congênito.   

Diagnóstico

Para diagnosticar sua condição, seu médico conversa com você sobre seus sintomas, examina seus olhos e faz alguns exames. Ele também examinará o interior do seu nariz para determinar se algum distúrbio estrutural das passagens nasais está causando uma obstrução. Se o seu médico suspeitar de um canal lacrimal bloqueado, ele pode solicitar que você faça outros exames para descobrir a localização do bloqueio. 

Os testes usados ​​para diagnosticar um canal lacrimal bloqueado incluem: 

Teste de drenagem lacrimal: Este teste mede a rapidez com que suas lágrimas estão drenando. Uma gota de um corante especial é colocada na superfície de cada olho. Você pode ter um canal lacrimal bloqueado se após cinco minutos a maior parte da tinta ainda estiver na superfície do olho. 

Irrigação e sondagem: O médico pode lavar uma solução salina pelo sistema de drenagem de lágrimas para verificar se está drenando bem. Ou ele pode inserir um instrumento fino (sonda) através dos minúsculos orifícios de drenagem no canto de sua tampa (pontos) para verificar se há bloqueios. Em alguns casos, essa investigação pode até resolver o problema. 

Testes de imagem ocular: Para esses procedimentos, um corante de contraste é passado do ponto no canto da pálpebra através do sistema de drenagem de lágrimas. Em seguida, imagens de raios-X, tomografia ou ressonância magnética são obtidas para encontrar o local e a causa do bloqueio. 

Tratamento

Seu tratamento depende do que está causando o bloqueio do canal lacrimal. Você pode precisar de mais de uma abordagem para corrigir o problema. Se um tumor estiver causando o bloqueio do canal lacrimal, o tratamento se concentrará na causa do tumor. A cirurgia pode ser realizada para remover o tumor, ou seu médico pode recomendar o uso de outros tratamentos para reduzi-lo. 

Medicamentos para combater infecções: Se o seu médico suspeitar da presença de uma infecção, ele pode prescrever colírios ou comprimidos com antibióticos. 

Observe e espere ou massageie: Os bebês que nascem com um canal lacrimal bloqueado geralmente melhoram sem qualquer tratamento. Isso pode acontecer à medida que o sistema de drenagem amadurece durante os primeiros meses de vida. Freqüentemente, uma fina membrana de tecido permanece sobre a abertura que deságua no nariz (ducto nasolacrimal). Se o canal lacrimal bloqueado de seu bebê não estiver melhorando, o médico pode lhe ensinar uma técnica de massagem especial para ajudar a abrir a membrana. 

Se você teve uma lesão facial que causou o bloqueio dos dutos lacrimais, seu médico pode sugerir esperar alguns meses para ver se a condição melhora à medida que a lesão cicatriza. Conforme o inchaço diminui, seus dutos lacrimais podem ficar desbloqueados por conta própria. 

Dilatação, sondagem e lavagem: Para bebês, essa técnica é feita sob anestesia geral. O médico aumenta as aberturas pontual com um instrumento especial de dilatação e insere uma sonda fina através do ponto e no sistema de drenagem lacrimal. 

Para adultos com pontos parcialmente estreitos, o médico pode dilatar os pontos com uma pequena sonda e, em seguida, enxaguar (irrigar) o canal lacrimal. Este é um procedimento ambulatorial simples que geralmente fornece pelo menos um alívio temporário. 

Dilatação do cateter balão: Se outros tratamentos não funcionaram ou o bloqueio retorna, este procedimento pode ser usado. Geralmente é eficaz para bebês e crianças pequenas e também pode ser usado em adultos com bloqueio parcial. Primeiro, o paciente recebe uma anestesia geral. Em seguida, o médico enfia através do bloqueio do canal lacrimal no nariz um tubo (cateter) com um balão vazio na ponta. Ele ou ela infla e esvazia o balão algumas vezes para abrir o bloqueio. 

Stent ou intubação: Esse procedimento geralmente é feito com anestesia geral. Um tubo fino, feito de silicone ou poliuretano, é enfiado em um ou ambos os pontos no canto da pálpebra. Esses tubos passam então pelo sistema de drenagem lacrimal para o nariz. Um pequeno laço de tubo ficará visível no canto do olho, e os tubos geralmente são deixados por cerca de três meses antes de serem removidos. As possíveis complicações incluem inflamação pela presença do tubo. 

Cirurgia

A cirurgia comumente usada para tratar dutos lacrimais bloqueados é chamada de dacriocistorrinostomiaAs etapas deste procedimento variam, dependendo da localização exata e da extensão do bloqueio, bem como da experiência e preferências do seu cirurgião. 

Na dacriocistorrinostomia externa, o cirurgião faz uma incisão na lateral do nariz, próximo ao local do saco lacrimal. Depois de conectar o saco lacrimal à cavidade nasal e colocar um stent na nova passagem, o cirurgião fecha a incisão da pele com alguns pontos. 

Endoscópico ou endonasal. Com esse método, o cirurgião usa uma câmera microscópica e outros instrumentos minúsculos inseridos pela abertura nasal do sistema de dutos. Este método não requer incisão, portanto não deixa cicatriz. 

Retina Clínica e Cirúrgica

A retina fica na parte posterior do olho e contém células sensíveis à luz, chamadas bastonetes e cones. Quando você olha para um objeto, a frente do seu olho contém uma lente que “projeta” uma imagem na retina. Em seguida, bastões e cones enviam sinais elétricos ao cérebro ao longo do nervo óptico. O cérebro usa esses sinais para interpretar o que você está vendo. Quando a retina não pode funcionar corretamente, esses sinais elétricos não conseguem chegar ao nervo óptico, levando a complicações de visão. De modo geral, a retina é sensível a traumas e pode ser danificada por uma série de condições, incluindo retinopatia diabética, degeneração macular, rupturas retinianas e descolamentos de retina. Se não forem tratadas, essas condições podem levar à perda permanente da visão. 

O médico  especialista em retina é mais frequentemente chamado quando a visão não pode mais ser melhorada após a prescrição de óculos apropriados e a degeneração não pode ser explicada por glaucoma, catarata ou outras condições. Você também pode ser encaminhado a um médico de retina se houver qualquer anormalidade observada na parte posterior do olho em um exame de rotina. 

Examinando a Retina

Dependendo do oftalmologista, a saúde de sua retina pode ser avaliada por meio de uma equipamento chamada oftalmoscópio ou por outras tecnologias de imagem retiniana. Durante o exame de retina, tiramos uma foto digital da parte de trás do olho que inclui a retina, o disco óptico (um ponto na retina que contém o nervo óptico) e os vasos sanguíneos. Isso permite que o seu oftalmologista detecte condições de saúde e olhos, bem como avalie a saúde geral dos seus olhos. 

 

 

Sintomas

A maioria dos problemas de retina não causa sintomas até que a doença progrida o suficiente para que haja um dano significativo. Mas quando você faz exames de vista regulares abrangentes, seu médico da Clinica Hailife pode detectar os primeiros sinais da doença e começar o tratamento para prevenir o agravamento da condição. 

Embora existam inúmeras doenças retinianas, muitas produzem sintomas comuns, incluindo: 

– Moscas Volantes e flashes de luz frequentes ou repentinos;

– Visão embaçada, distorcida ou dupla;

– Perda de visão periférica;

– Perda da visão central;

– Sensibilidade à luz;

– Problemas com visão noturna;

Se você tiver um ou mais desses sintomas, agende um exame para ver se precisa de serviços especializados de retina. 

Os médicos de retina são especialistas no tratamento de doenças da retina, mácula e vítreo, incluindo o seguinte: 

Degeneração macular relacionada à idade (DMRI):

Este tipo de degeneração macular ocorre quando a mácula, uma parte da retina, se deteriora. À medida que os danos pioram, você perde a visão central, o que afeta sua capacidade de ler, dirigir e reconhecer rostos. 

Retinopatia diabética:

Quando o açúcar no sangue está alto, ele danifica os vasos sanguíneos da retina. Como resultado, os vasos sanguíneos anormais crescem e podem vazar, danificar a retina e causar perda de visão. 

Descolamento de retina:

Quando a retina se separa de seus tecidos subjacentes de suporte, você precisa de tratamento imediato para prevenir a cegueira. A laceração retiniana pode ser causada por lesão ocular, retinopatia diabética avançada ou descolamento de vítreo. 

Uveíte e outras infecções:

Uveíte se refere a uma condição inflamatória que causa olhos vermelhos e afeta várias partes do olho, incluindo a retina. Sua retina também é vulnerável à inflamação causada por infecções bacterianas, fúngicas e virais. 

Oclusões da veia retiniana:

A oclusão da veia da retina ocorre quando uma pequena veia é bloqueada. Essa condição geralmente se desenvolve devido à pressão alta (hipertensão), colesterol alto e diabetes. 

Membranas epirretinianas (ERMs):

ERM, ou um enrugamento macular, se desenvolve quando uma fina membrana se forma sobre a retina. À medida que a membrana puxa a retina, a mácula se enruga. ERM pode ser causado por doença vascular, condições inflamatórias, descolamento de retina ou lesão ocular. 

Como as doenças da retina são tratadas?

Cada doença retiniana requer um tratamento personalizado, que pode variar de colírios e injeções nos olhos até cirurgias avançadas. Os médicos da Clinica Hailife são especialistas em cirurgia ocular a laser, quando necessária para reparar problemas de retina. 

Injeção intravítrea 

O que é uma injeção intravítrea? 

No meio do olho há uma grande cavidade que é preenchida com uma substância gelatinosa chamada humor vítreo. Uma injeção intravítrea é uma injeção de medicamento na geléia. Esta é a forma mais eficaz de colocar altas concentrações do medicamento no olho. 

Existem várias doenças oculares diferentes que são tratadas desta forma, incluindo: 

– Degeneração macular relacionada à idade úmida;

– Retinopatia diabética: edema macular diabético;

– Oclusões vasculares: oclusão da veia retiniana do ramo e oclusão da veia central da retina;

– Infecções / endoftalmite;

– Tumores. 

Que medicamento é usado em injeções intravítreas?

Muitos tipos diferentes de medicamentos podem ser injetados no vítreo. Exemplos incluem: 

– Aflibercept (Eylea): usado para degeneração macular úmida, maculopatia diabética e oclusões da veia retinal 

– Ranibizumab (Lucentis): usado para degeneração macular úmida, maculopatia diabética e oclusões da veia retiniana 

– Bevacizumab (Avastin): usado para degeneração macular úmida, maculopatia diabética e oclusões da veia retinal 

– Dexametasona (Ozurdex): usado para maculopatia diabética 

– Triancinolona: usada na maculopatia diabética, edema macular cistóide pós-operatório e doenças inflamatórias oculares 

– Antibióticos: usados ​​em infecções graves dos olhos. 

Por que aflibercept, lucentis e bevacizumab são usados ​​na degeneração macular úmida? 

Sem tratamento, os pacientes com degeneração macular úmida têm uma chance extremamente alta de perder a visão. A pesquisa mostrou que os pacientes que são tratados regularmente com injeções de afliberceptlucentis ou bevacizumabe no olho mantêm (ou às vezes ganham) a visão. 

Esses medicamentos interrompem o vazamento e a hemorragia associados ao crescimento do vaso sanguíneo anormal, que é a principal causa da degeneração macular “úmida”. 

Com que frequência eu preciso de tratamento?

Para pacientes com degeneração macular úmida, o tratamento é necessário a cada 4 semanas até que a degeneração macular esteja sob controle. Então, o intervalo de tratamento pode ser aumentado lentamente. Normalmente, os pacientes podem ser mantidos em tratamento a cada 8-12 semanas. Ocasionalmente, os pacientes com doença particularmente agressiva, ou se estiverem sendo tratados em seu único olho bom, precisarão de tratamento com mais frequência. 

Por quanto tempo eu preciso de tratamento?

Isso depende da doença que está sendo tratada. Para degeneração macular úmida, é mais provável que você seja tratado para sempre. Se o tratamento for interrompido, é possível que você tenha recorrência da degeneração macular úmida, que pode resultar em hemorragia grave, resultando em perda permanente de visão. 

Em algumas outras doenças, o tratamento pode ser interrompido após 1-2 anos em alguns casos. 

Os pesquisadores estão atualmente investigando medicamentos que duram mais no olho, reduzindo a carga de tratamento no futuro. 

Vou sentir a injeção?

Você não deve sentir nenhuma dor durante a injeção, mas pode sentir alguma pressão. A grande maioria dos pacientes tolera muito bem as injeções.

Como é o procedimento das injeções retinianas?

O procedimento é feito na sala de operação / sala esterilizada. 

Poucas gotas do anestésico são instiladas no olho para anestesiar adequadamente a superfície, após o que o medicamento é injetado no olho através da parte branca usando uma agulha muito pequena.

Cirurgia de Retina 

A cirurgia de vitrectomia é realizada para reparar muitas doenças que afetam a parte posterior do olho, incluindo a retina, o vítreo e a mácula. Esse procedimento requer a remoção do gel líquido, localizado na parte posterior do olho, denominado vítreo. 

A falta de gel vítreo não afeta o funcionamento do olho. Os instrumentos são colocados em três pequenas incisões perto da frente do olho. A primeira incisão é usada para introduzir uma luz de fibra óptica para iluminar o interior do olho. A segunda incisão é usada para remover o gel vítreo com um dispositivo de corte portátil em miniatura. A terceira incisão é usada para infundir uma solução salina no olho enquanto o gel vítreo é removido. O corpo substitui a solução salina por seu próprio fluido em poucos dias. 

Em alguns casos, uma bolha de gás ou óleo de silicone é colocada no olho. A bolha de gás é gradualmente absorvida e substituída pelo próprio fluido do olho. Esse gás pode permanecer no olho por até oito semanas. Enquanto a bolha está presente, os pacientes não podem viajar de avião ou ir a grandes altitudes, pois as mudanças na pressão do ar podem fazer com que a bolha se expanda, aumentando a pressão dentro do olho. 

Por outro lado, quando o óleo de silicone é usado, o olho é incapaz de absorvê-lo por conta própria. Ele deve ser removido do olho após vários meses, com uma segunda operação. Seu cirurgião discutirá com você se o óleo de silicone ou uma bolha de gás é mais adequado. Se qualquer uma das substâncias for colocada no olho, você provavelmente terá que ficar deitado de bruços (deitado) por vários dias. Isso garante que o gás ou óleo seja capaz de flutuar para cima, em direção à parte de trás do olho, para a cura adequada da retina. Nossos médicos usam as tecnologias mais recentes. Na verdade, eles ajudaram a criar algumas das técnicas cirúrgicas mais avançadas, incluindo instrumentos de sutura de calibre 23 e 25, que permitem incisões menores e uma reabilitação mais rápida da visão. 

O procedimento é realizado em centro cirúrgico, sob anestesia local ou, em casos raros, geral. O anestesiologista administrará a medicação por via intravenosa, o que o deixará relaxado e sonolento. O anestesiologista irá regular os níveis de anestesia, durante todo o procedimento, para mantê-lo confortável até que a cirurgia de retina seja concluída. 

Quais são os riscos da cirurgia?

O risco mais comum após a cirurgia de retina é um aumento na taxa de desenvolvimento de catarata. Na maioria dos pacientes, a catarata pode progredir rapidamente e frequentemente torna-se grave o suficiente para exigir a remoção. Outras complicações menos comuns incluem infecção e descolamento de retina. Ambos podem ocorrer durante a cirurgia ou depois, mas ambos podem ser tratados imediatamente. ttings.

Técnicas especiais durante a cirurgia de vitrectomia

A cirurgia de vitrectomia envolve muitas etapas quando usada para reparar condições complexas – condições que podem causar cegueira e perda de visão em nossos pacientes. Aqui estão algumas das técnicas especiais usadas para alcançar o melhor resultado: 

Peeling de membrana: Esta etapa envolve a remoção de membranas finas da superfície da retina. O peeling de membrana é comumente usado no reparo de rugas maculares, orifícios maculares, descolamentos de retina e retinopatia diabética. 

Endofotocoagulação: É a aplicação do laser dentro do olho no momento da vitrectomia. O laser Endo pode ser usado para tratar uma retina não saudável, afetada pela retinopatia diabética. Mais especificamente, ele pode tratar um afinamento da retina, orifícios da retina e rasgos na retina ou definir (consertar) um descolamento de retina. Endo-laser é freqüentemente usado para tratar vazamento de vasos sanguíneos dentro do olho, um efeito secundário de oclusões de veias e outros distúrbios retinais. 

Gases intraoculares: “A bolha do problema”: em alguns procedimentos de vitrectomia, uma bolha de gás deve ser colocada dentro do olho como parte do procedimento. Isso envolve a troca do fluido dentro do olho por ar ou uma mistura de ar com gás – denominado “troca de ar-fluido”. Essa manobra introduz uma bolha de gás, que pode manter a retina no lugar enquanto ela se cura. Isso é comumente necessário no reparo de um buraco macular ou descolamento de retina. Quando uma bolha de gás está no olho, o paciente deve posicionar seu corpo para manter a “bolha no problema”. No caso de um buraco macular, por exemplo, honrar a regra requer um posicionamento voltado para baixo por um período de tempo, variando de vários dias a 2 semanas. O período de tempo depende da natureza do buraco. Quando uma bolha de gás está no olho, a visão pode ficar embaçada por até um mês, dependendo do tipo de gás usado e da velocidade de absorção.  

Óleo de silicone: uma alternativa ao gás é o óleo de silicone, que também é usado para manter a retina no lugar. O óleo de silicone é usado em casos mais complexos, como trauma e reparo de descolamento de retina, quando há tecido cicatricial (vitreo-retinopatia proliferativa). Em casos raros, é usado em pacientes com buraco macular cuja primeira cirurgia falhou ou que são incapazes de 

Uveíte

O que é uveíte? 

Uveíte refere-se especificamente à inflamação da “úvea” ou camada média do olho. No entanto, é comumente usado como um termo geral para se referir a qualquer inflamação do olho. A uveíte é uma doença rara. Mesmo o tipo mais comum ocorre em apenas uma pessoa em 12.000. 

Tipos de Uveíte

A uveíte é classificada pela localização. Se a inflamação afetar a parte “branca” do olho, ou esclera, é conhecida como esclerite. Se a inflamação afetar a parte frontal do olho, é chamada de irite ou iridociclite. A inflamação que afeta a parte média do olho é conhecida como pars planitis ou uveíte intermediária. A inflamação que afeta a parte posterior do olho é conhecida como uveíte posterior. Finalmente, a inflamação que afeta todo o olho é conhecida como panuveíte. 

Esclerite:

A esclerite é a inflamação da parte branca do olho. Pode ser comumente confundido com “olho rosa” ou conjuntivite viral. No entanto, a esclerite geralmente causa uma dor profunda, sensibilidade ou dor e sensibilidade à luz que não estão presentes na conjuntivite. A esclerite pode ser grave e causar perda da integridade escleral do olho, levando até mesmo à ruptura espontânea do olho. Além disso, a esclerite pode frequentemente estar associada a doenças sistêmicas, como lúpus eritematoso sistêmico (LES), artrite reumatóide (AR) e granulomatose de Wegener. Devido à possibilidade dessas e de outras doenças sistêmicas, você pode exigir exames de sangue e talvez um encaminhamento a um reumatologista. 

Iritis:

Irite ou iridociclite é o tipo mais comum de uveíte e, felizmente, a mais facilmente tratada. Também pode ter a aparência de “olho rosa”, embora, ao contrário da conjuntivite típica, geralmente haja mais sensibilidade à luz (fotofobia) e perda de visão. Às vezes, a irite ocorre apenas uma vez e nunca retorna, mas pode ocorrer novamente com surtos frequentes. A causa da maioria das irites é desconhecida. No entanto, metade da irite está associada a um marcador genético, o HLA-B27. Aqueles com este marcador podem estar predispostos a desenvolver uma artrite sistêmica, como espondilite anquilosante, síndrome de Reiter ou artrite psoriática. O tratamento geralmente consiste no uso de colírios de esteroides de hora em hora para suprimir a inflamação e um dilatador de “tampa vermelha” para aliviar a dor e evitar que a íris adira a outras estruturas oculares. É importante lembrar de agitar o frasco para misturar o esteróide, pois o medicamento é uma suspensão. Se você não misturar, a droga fica no fundo do frasco e não atinge o olho. 

Pars planitis (uveíte intermediária):

Ao contrário da esclerite e da irite, a pars planitis não costuma causar “olhos vermelhos”. O olho geralmente fica confortável e sem dor. No entanto, a visão pode ficar turva devido à inflamação, causando moscas volantes (células inflamatórias flutuando na parte central do olho) ou inchaço na parte posterior do olho (edema macular cistóide). Na maioria das vezes, não encontramos uma causa para pars planitis. No entanto, pode estar associada a condições como sarcoidose, doença de Lyme, toxocara, sífilis e esclerose múltipla. A doença tende a se agravar e então melhorar em ciclos (aumenta e diminui). Se a visão for boa e não houver edema macular cistóide, a observação é razoável. Se a pars planitis for grave ou se houver edema macular cistóide, o tratamento pode consistir em uma injeção de esteroides próximo ao olho (injeção subtenoniana), esteroides orais ou imunossupressão sistêmica. 

Uveíte posterior:

A uveíte posterior compreende a inflamação ocular mais complexa e difícil de controlar. Também tende a ser mais ameaçador. A uveíte posterior tende a ser subdividida pela causa ou pela aparência do olho. É muito importante trabalhar com seu médico, pois essas condições às vezes podem ser difíceis de diagnosticar e controlar: 

Uveíte posterior infecciosa:

Algumas uveítes posteriores podem ser de natureza infecciosa, como toxoplasmose, doença da arranhadura do gato ou infecções por vírus do herpes (necrose retinal aguda, citomegalovírus). O tratamento depende da natureza da infecção. 

Síndrome Mascaradas:

Raramente, os cânceres, como o linfoma intraocular, podem aparecer como uma uveíte posterior. Essas doenças mimetizam a uveíte, mas normalmente não melhoram com a terapia com esteróides e apresentam recorrência rápida. O diagnóstico é importante para este grupo, frequentemente exigindo uma biópsia vítrea. 

Vasculite:

A inflamação dos vasos sangüíneos da retina pode ser potencialmente séria, causando uma interrupção do fluxo sangüíneo para áreas da retina. As condições que podem causar vasculite incluem lúpus, sarcoidose, doença de Bechet e outras doenças. Em casos graves, são usados ​​medicamentos imunossupressores ou um implante de esteroide intraocular. 

Síndromes de pontos brancos:

As síndromes de pontos brancos compreendem um grande espectro de doenças que se apresentam com “manchas brancas” na retina. Eles são diferenciados por sua aparência, mas podem estar relacionados. As complicações mais comuns são edema macular cistóide e membranas neovasculares coroidais (vasos sanguíneos anormais crescendo sob a retina). As síndromes de pontos brancos incluem AMPPE (epiteliopatia pigmentar placóide multifocal posterior aguda), MCP (panuveíte de coroidite multifocal), PIC (coroidite interna pontilhada), MEWDS (síndrome de pontos brancos evanescentes múltiplos) e AZOOR (retinopatia externa oculta zonal aguda). 

Autoimune:

Finalmente, a inflamação da parte posterior do olho pode ser causada pela reação aos seus próprios tecidos oculares. Essas condições incluem coriorretinopatia serpiginosa, síndrome da uveíte de fibrose sub-retiniana (SFU), coriorretinopatia de Birdshot (BSCR) e síndrome de Harada (VKH). 

Sintomas

A uveíte pode se desenvolver repentinamente e os sintomas incluem: 

– Vermelhidão nos olhos com ou sem dor;

– Alta sensibilidade à luz brilhante;

– Visão embaçada;

– De repente, vendo moscas volantes (pequenas manchas ou fios como teias de aranha);

Fatores de risco

Embora nem sempre saibamos o que causa a uveíte, é mais provável que você contraia se tiver ou já teve: 

– Uma doença inflamatória sistêmica como artrite reumatóide, lúpus ou doença inflamatória intestinal (IBS);

– Infecções como herpes, herpes, doença de Lyme, sífilis e parasitas, como toxoplasmose;

– Uma lesão no olho;

Diagnóstico

Além de um exame oftalmológico abrangente, seu médico provavelmente solicitará vários exames de sangue para determinar se você tem uma das doenças sistêmicas listadas acima

Tratamento

A uveíte deve ser tratada imediatamente para evitar problemas de longo prazo. O tratamento de cada paciente deve ser customizado para controlar o nível de inflamação e reduzir os possíveis efeitos colaterais. Como mencionado acima, os tratamentos podem incluir colírios de corticosteroides que reduzem a inflamação, colírios dilatadores para ajudar a reduzir a dor e o inchaço, injeções e medicamentos orais. 

Cada forma de tratamento tem efeitos colaterais potenciais. Alguns pacientes precisarão de exames de sangue regulares para ter certeza de que o medicamento do tratamento não está causando problemas. É importante compreender que algumas formas de uveíte são crônicas e precisam ser tratadas por um longo tempo, geralmente anos.  

Neuro-Oftalmologia

Algumas doenças oculares, como visão dupla, visão turva ou perda temporária da visão, são causadas por problemas neurológicos que afetam as conexões entre o olho e o cérebro. Essas condições podem exigir as habilidades especializadas de um neuro-oftalmologista, que diagnostica e trata doenças que envolvem o nervo óptico (que conecta o olho ao cérebro) e as partes do cérebro que processam a visão, os movimentos dos olhos e a órbita ( cavidade ocular). 

O serviço de neuro-oftalmologia da Clinica Hailife  está totalmente equipado para lidar com problemas visuais desencadeados por condições neurológicas, incluindo tumores cerebrais, derrame, esclerose múltipla, inflamação sistêmica e infecção.  

Tratar distúrbios neuro-oftálmicos muitas vezes significa prevenir a progressão e fazer o encaminhamento correto para outros especialistas.  

Sintomas de doenças neuro-oftálmicas

Embora os sintomas possam variar de uma doença para outra, o seguinte pode indicar que sua condição está relacionada à neuro-oftálmica: 

– Visão turva progressiva (não pode ser corrigida com óculos ou lentes de contato);

– Perda repentina de visão;

– Perda temporária de visão em um ou ambos os olhos;

– Dor com movimento dos olhos;

– Dor de cabeça associada a sintomas de visão;

– Pupilas desiguais (uma pupila é muito maior ou menor que a outra);

– Visão dupla;

– Nistagmo, ou oscilação dos olhos; 

– Flutuação da posição das pálpebras (queda das pálpebras que muda ao longo do dia);

– Rosto caído;

– Espasmo muscular / contração das pálpebras ou do rosto.

Condições neuro-oftálmicas comuns

Anisocoria (pupilas desiguais): uma condição em que uma pupila é maior que a outra. Em certa medida, a diferença no tamanho da pupila é normal e pode variar da esquerda para a direita ao longo do tempo. No entanto, se houver uma discrepância maior no tamanho da pupila, isso pode indicar ou alertar sobre um problema neurológico. 

Neuropatia óptica isquêmica anterior: Neuropatia óptica isquêmica anterior (AION) é a perda de suprimento de sangue para o tecido do nervo óptico que causa danos ao nervo. Freqüentemente sem dor ou outros sintomas, os pacientes podem se tornar cientes da condição devido à diminuição da visão ou dificuldade de enxergar acima ou abaixo do centro do olhar. Esta é uma das principais causas de diminuição da visão em pessoas com mais de 50 anos de idade. 

Blefaroespasmo: Condição em que piscar, contrair e fechar as pálpebras descontrolados ocorrem em ambos os olhos, sem uma causa ambiental. Afeta cerca de 5 em cada 100.000 pessoas. 

Drusas: a condição é o acúmulo de depósitos anormais de material semelhante a uma proteína na parte frontal do nervo óptico. Geralmente é encontrado no exame físico, é assintomático e raramente impede a visão. Afeta 1% da população e é mais comum em caucasianos. 

Espasmo hemifacial: “espasmos ou contrações” crônicos que afetam um lado da face. O espasmo pode ser momentâneo ou prolongado e afeta igualmente homens e mulheres de meia-idade. 

Paralisia Microvascular do Nervo Craniano: Condição que causa a interrupção do fornecimento de sangue a um dos nervos cranianos que deixa de funcionar. Isso pode causar visão dupla aguda. A condição é mais frequente em pacientes com diabetes e hipertensão. 

Enxaqueca: os ataques clássicos de enxaqueca começam com sintomas visuais (luzes coloridas, flashes de luz) seguidos por forte dor de cabeça associada a náuseas, vômitos e sensibilidade à luz. A enxaqueca afeta 15-20% da população e é ainda maior nas mulheres. 

Miastenia Gravis: Miastenia Gravis (MG) é uma doença auto-imune em que o sistema imunológico do corpo danifica seus próprios receptores musculares, levando à fraqueza muscular. Pode resultar em queda da pálpebra (ptose) e / ou visão dupla. 

Neurite óptica: Condição em que o sistema imunológico do corpo ataca seu próprio nervo óptico. A inflamação resultante pode causar dor ao redor do olho, muitas vezes agravada pelo movimento do olho. Também pode levar a uma diminuição repentina da visão (embaçada, escura, escura ou perda parcial). A neurite óptica é uma causa comum de perda súbita da visão em um paciente jovem. 

Tumor hipofisário: uma condição benigna encontrada em quase 25% da população. Às vezes, os tumores podem crescer o suficiente para comprimir os nervos ópticos circundantes, quiasma e nervos cranianos. Se isso ocorrer, o movimento dos olhos e a sensação facial podem ser afetados. 

Pseudotumor Cerebri: Condição em que a pressão craniana causa problemas de visão e dores de cabeça correspondentes. Os pacientes apresentam inflamação do disco óptico, mas não há evidência de tumor. 

Olho da tireoide: uma doença auto-imune em que seu corpo estimula o aumento dos músculos oculares. Isso pode resultar em abaulamento dos olhos, retração das pálpebras, visão dupla, diminuição da visão e irritação ocular. Muitas vezes considerado coincidente com o mau funcionamento da glândula tireoide, pode, entretanto, ser uma condição independente que pode não se resolver quando a tireoide está “controlada”. 

O que esperar durante um exame de neuro-oftalmologia

Antes da sua visita:

Em primeiro lugar, você deve solicitar que todas as informações relevantes (anotações, testes de laboratório, tomografias, ressonâncias magnéticas, etc.) sejam enviadas antes de sua consulta. Certifique-se de ter uma lista de seus medicamentos. 

Durante o exame:

Durante a visita, suas pupilas ficarão dilatadas com gotas (normalmente duram 4 horas), causando brilho e visão embaçada, portanto, certifique-se de que alguém o leve para casa e você pode trazer óculos de sol. 

Uma avaliação neuro-oftalmológica é um exame abrangente no qual serão solicitadas informações detalhadas a respeito do seu problema atual, histórico médico e alergias a medicamentos. Um exame oftalmológico será realizado, bem como um exame neurológico parcial ou completo.  

Após o exame:

Após o exame, o neuro-oftalmologista irá discutir o diagnóstico, testes adicionais e tratamento 

error: Não é possível copiar este conteúdo.